Tragédia

Vaso sanitário atirado do anel superior do Arruda mata torcedor

Objeto atingiu homem que estava na rua das Moças, um dos acessos ao estádio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 02/05/2014 23:40 / atualizado em 03/05/2014 18:06

Brenno Costa /Diario de Pernambuco , Yuri de Lira /Diario de Pernambuco

Yuri de Lira/DP/D.A.Press
Não foi a primeira vez. Quem frequenta os estádios de futebol do Recife, sabe. Em várias ocasiões, o vaso sanitário foi usado como arma. Acredite. Arrancado do banheiro do estádio e atirado para o lado de fora, o objeto ainda não tinha feito uma vítima fatal. Até essa sexta-feira (2/5). O jogo entre Santa Cruz e Paraná, pela Série B do Campeonato Brasileiro, ficará marcado para sempre como um dos dias mais selvagens do futebol brasileiro. Um homem morreu com a privada arremessada do anel superior do Arruda. Bateu na cabeça. O nome da vítima é Paulo Ricardo Gomes da Silva. Morador do Pina, na Zona Sul do Recife. Nascido em 1988.

A cena chocava mesmo sem o corpo ser visto. Sob forte chuva, um lençol tentava esconder o absurdo. Mas era impossível. O rastro de sangue, os estilhaços no entorno da vítima e a grande quantidade de polícias representavam a tragédia. O cenário do absurdo. Durante o jogo, fortes estrondos foram escutados. Ninguém, no entanto, tinha noção da selvageria que tomava corpo do lado de fora. O resultado foi um esmagamento parcial do crânio, seguido de fratura nas pernas.

De acordo com testemunhas, uma briga entre torcida uniformizadas acontecia do lado de fora do estádio durante a partida. Uma entre tantas outras registradas no futebol pernambucano. Pedras eram atiradas de todos lados até a que a privada acabou sendo atirada entre os portões 6 e 7 do Arruda,  localizados na rua das Moças - uma vias que levam ao estádio do Santa Cruz.

A vítima, torcedora do Sport, por sua vez, estaria no Arruda para se juntar à torcida uniformizada do Paraná, facção aliada à organizada rubro-negra.

Outros dois torcedores foram levados para Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) dos Torrões, Zona Oeste do Recife. Mas os detalhes do estado de saúde não foram divulgados. Os autores do crime ainda não foram identificados.