Náutico

CAMPEONATO PERNAMBUCANO

História recente reforça importância do primeiro jogo da final do Pernambucano

Desde 2010, em seis das nove finais realizadas, o campeão estadual conseguiu a vantagem na primeira partida da decisão

postado em 12/04/2019 21:35 / atualizado em 12/04/2019 21:33

<i>(Foto: Paulo Paiva e Peu Ricardo/DP)</i>
O título do Campeonato Pernambucano não será decidido neste domingo, entre Náutico e Sport, em partida que começará às 16h, nos Aflitos. Mas é inegável a importância do primeiro jogo da final. Se as principais imagens que ficam na memória do torcedor são o do time levantando o troféu, o gol ou a defesa espetacular do confronto derradeiro, quase sempre elas estão atreladas, de certa forma, ao que ocorreu no "primeiro tempo" da decisão. Pelo menos vem sendo assim desde 2010.

Das nove finais ocorridas desde então, em seis o time que levou algum tipo de vantagem para o segundo jogo ficou com a taça. E por "vantagem", o Superesportes considerou não só uma vitória na partida de ida, mas também o fato de uma equipe fazer o duelo da volta, em casa, com a necessidade apenas de um triunfo simples. 

Foi o caso, por exemplo, do próprio Náutico, no ano passado. Após segurar o empate por 0 a 0 com o Central, no confronto de ida, em Caruaru, o Timbu precisava apenas de uma vitória por qualquer placar, em uma Arena de Pernambuco lotada de alvirrubros (o público total foi de 42.352, recorde do estádio em jogos de clubes) para levantar a taça e pôr fim a um jejum de 13 anos sem títulos. Conseguiu.

O mesmo vale pelo lado contrário. E ocorreu um ano antes. Entre as três vezes em que o campeão precisou fazer o resultado na partida de volta, após tropeçar no primeiro jogo, a reportagem está considerando a decisão de 2017 em que o Salgueiro, após arrancar um empate com o Sport na Ilha do Retiro, acabou derrotado pelo Leão, em pleno Cornélio de Barros, e desperdiçou a chance de ser o primeiro campeão do interior.

Por sinal, o Sport também é o responsável por outra "buscada" no jogo de volta de uma decisão recente do Pernambucano. E contra o próprio Náutico. Após perder o jogo um da final por 3 a 2 (os alvirrubros chegaram a estar vencendo por 3 a 0), o Leão precisou apenas de uma vitória magra (1 a 0), no duelo da volta, na Ilha do Retiro, para dar mais uma volta olímpica.

Porém, o maior especialista em construir o título a partir do primeiro jogo da decisão é o Santa Cruz. Dos cinco títulos obtidos pelos tricolores na década, quatro foram graças ao resultado do primeiro confronto. A exceção foi em 2012, com o Sport, dessa vez, deixando escapar a taça por entre os dedos. Após um empate sem gols no Arruda, os corais precisaram arrancar uma vitória por 3 a 2 sobre os rubro-negros, na Ilha, para ficar com a taça.  

Resta agora esperar para saber como a decisão do Campeonato Pernambucano será construída entre alvirrubros e rubro-negros. O primeiro capítulo será escrito nos Aflitos. No próximo domingo, dia 21, saberemos qual peso ele terá.

Vantagem no jogo de ida e foi campeão

2018 (Náutico campeão)
Central 0x0 Náutico
Náutico 2x1 Central

2016 (Santa Cruz campeão)
Santa Cruz 1x0 Sport
Sport 0x0 Santa Cruz

2015 (Santa Cruz campeão)
Salgueiro 0x0 Santa Cruz
Santa Cruz 1x0 Salgueiro

2014 (Sport campeão)
Sport 2x0 Náutico
Náutico 0x1 Sport

2013 (Santa Cruz campeão)
Santa Cruz 1x0 Sport
Sport 0x2 Santa Cruz

2011 (Santa Cruz campeão)
Sport 0x2 Santa Cruz
Santa Cruz 0x1 Sport

Saiu em desvantagem na ida e foi campeão

2017 (Sport campeão)
Sport 1x1 Salgueiro 
Salgueiro 0x1 Sport

2012 (Santa Cruz campeão)
Santa Cruz 0x0 Sport
Sport 2x3 Santa Cruz

2010 (Sport campeão)
Náutico 3x2 Sport
Sport 1x0 Náutico 

Ficha do jogo

Náutico
Bruno; Hereda, Diego Silva, Camutanga e Assis; Josa, Luiz Henrique e Danilo Pires (Maylson); Thiago, Odilávio e Jorge Henrique. Técnico: Márcio Goiano.

Sport
Mailson; Norberto, Adryelson, Rafael Thyere e Sander; Ronaldo, Charles e Guilherme; Ezequiel, Hernane e Luan. Técnico: Guto Ferreira.

Local: Aflitos
Horário: 16h
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa-GO)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon e Daiane Caroline Muniz (ambos Fifa)
Ingressos: R$ 80 (arquibancada) e R$ 40 (estudante)