Futebol Nacional

CRUZEIRO

Cruzeiro reúne Conselho Deliberativo nesta segunda para votar aprovação de empréstimo

Clube quer aprovar captação de R$ 300 milhões para quitar dívidas

postado em 11/02/2019 13:04 / atualizado em 12/02/2019 09:57

Leandro Couri/EM/D.A Press

O Conselho Deliberativo do Cruzeiro, em reunião extraordinária nesta segunda-feira, às 19h, votará a proposta da diretoria para empréstimo de R$ 300 milhões com um fundo estrangeiro de investimentos para quitar dívidas. O Superesportes apurou que nas últimas semanas a diretoria celeste explicou as condições da operação financeira aos conselheiros, com grupos de 40 pessoas sendo recebidos diariamente no auditório da Toca da Raposa 2.

Para sensibilizar os conselheiros e conseguir a aprovação, os dirigentes celestes apresentaram vídeos de programas esportivos de TV, com jornalistas chamando o Cruzeiro de ‘caloteiro’. A intenção é usar o dinheiro do empréstimo para limpar o nome do clube com credores e reduzir a imagem de mau pagador na mídia. Durante as reuniões, os diretores ainda pediram aos conselheiros que desconsiderassem mensagens e saíssem de grupos de WhatsApp ligados à oposição.

O presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, se mostra muito preocupado com as ações na Fifa, que estão em fase final de julgamento. Se o clube não tiver as condições financeiras para quitar as dívidas, poderá sofrer sanções pesadas, como ser proibido de contratar jogadores ou até mesmo cair de divisão no Campeonato Brasileiro.

A justificativa dos dirigentes em recorrer a uma instituição estrangeira para buscar recursos é por causa do valor dos juros cobrados por empresas internacionais - são até 60% menores que em bancos brasileiros.

Segundo informações obtidas pela reportagem, o Cruzeiro explicou aos conselheiros que os juros anuais do empréstimo de R$ 300 milhões serão de 9%. O clube terá um ano e meio de carência, a partir da assinatura do contrato, para começar a pagar a dívida parcelada em sete prestações semestrais.

A cúpula celeste garantiu ainda que nenhum patrimônio imobilizado do Cruzeiro será colocado como garantia em uma eventual inadimplência. Nesse cenário, o credor único receberia receitas proporcionadas por cotas de televisão, rendas com bilheteria e sócio-torcedor, contratos de patrocínio e venda de direitos econômicos de jogadores. A direção também prometeu manter o departamento de futebol competitivo e forte na briga por títulos.

Processo da reunião

De acordo com o Inciso VI do Artigo 20 do Estatuto do Cruzeiro, compete ao Conselho Deliberativo“autorizar a alienação de bem imóvel do Cruzeiro Esporte Clube, excluídas as unidades que compõem o Parque Esportivo do Barro Preto, o Centro Administrativo, as Sedes Campestres, a Toca da Raposa I e a II, imóveis somente alienáveis em situação altamente vantajosa para o Cruzeiro Esporte Clube, mediante proposta aprovada por 9/10 (nove décimos) dos Conselheiros”.

Como relata o texto, a alienação de bem imóvel como garantia de operações financeiras depende de aprovação de 90% do Conselho Deliberativo. Sendo assim, diante do quadro atual, com 465 conselheiros com direito a voto, Wagner Pires de Sá precisaria do apoio de 419 aliados se eventualmente precisar envolver estruturas físicas do clube no negócio.

Só que as condições a serem apresentadas na reunião de segunda-feira não envolvem patrimônio imobilizado do Cruzeiro. Ainda assim, a diretoria pretende levar o projeto para votação, confiante de que convencerá a maior parte dos componentes do Conselho.

Ao Superesportes, o vice-presidente do Conselho Deliberativo do Cruzeiro, José Dalai Rocha, deu detalhes de como será esse processo. “O Conselho vai ser chamado para discutir e aprovar, ou não, o projeto de empréstimo. Pelo estatuto, não há obrigatoriedade de levar o assunto para votação, mas, mesmo assim, a gestão do presidente Wagner Pires de Sá optou por esse caminho. Nesse cenário, será necessária a aprovação de uma maioria simples. Por exemplo, se comparecerem 400 conselheiros, seriam necessários 201 para a proposta ser aprovada”.
 
Dalai Rocha acredita na aprovação do projeto da gestão de Wagner Pires de Sá. “O empréstimo consolidará as dívidas já existentes e dará mais tranquilidade para a diretoria trabalhar. Creio numa solução positiva. No momento certo, os cruzeirenses vão se unir e ver o que será melhor para o clube. A gente torce por uma solução pacífica, pois os problemas são inadiáveis”.

Por estar em compromisso com o fim do mandato como senador da República em Brasília, o presidente do Conselho Deliberativo Zezé Perrella não manifestou sua opinião junto à mesa diretora a respeito do empréstimo de R$ 300 milhões pretendido pelo Cruzeiro. “Só devemos conversar com ele na segunda-feira, que é o dia da reunião”, frisou José Dalai Rocha.

Prestações podem 'extrapolar' mandato de Wagner Pires

A proposta de pagar o empréstimo em até cinco anos (um ano e meio de carência e três anos e meio de prestações semestrais) pode extrapolar um possível segundo mandato de Wagner Pires de Sá. Caso seja reeleito no pleito de outubro de 2020, o atual presidente ficaria no cargo até dezembro de 2023. Já as prestações poderiam chegar até mesmo a 2024, a depender da assinatura do contrato com o fundo internacional. Veja abaixo uma simulação:

Fevereiro de 2019 – aprovação no Conselho Deliberativo

Março de 2019 – assinatura do contrato

Setembro de 2020 – fim do período de carência e pagamento da primeira parcela semestral

Março de 2021 – segunda parcela semestral

Setembro de 2021 – terceira parcela semestral

Março de 2022 – quarta parcela semestral

Setembro de 2022 – quinta parcela semestral

Março de 2023 – sexta parcela semestral

Setembro de 2023 – sétima parcela semestral

Tags: 300 milhões conselho deliberativo emprestimo cruzeiro